contato@institutokopp.com.br

Mau hálito- inibe as pessoas de falarem :(

Texto escrito pela Dra Claudia Christianne Gobor, especialista em Tratamento do Mau Hálito pelo MEC , dentista pelo Instituo Kopp e vice presidente da ABO-PR- CRO 7966/PR

Ainda existe a crença de que pessoas com mau hálito não limpam bem a boca, mas nem sempre o problema está associado com a falta de higiene oral. Mesmo quem escova os dentes da maneira adequada pode sofrer com a halitose, que pode ter mais de 60 causas, sendo que 90% delas são bucais.

 

A diminuição de saliva é a razão mais frequente para o mau odor. Além de promover uma limpeza da língua, a saliva contém mais de 15 agentes que impedem o crescimento das bactérias patogênicas, aquelas com o poder de provocar doenças. “A diminuição do fluxo salivar e o aumento da descamação da parte interna da boca levam à formação de uma placa esbranquiçada na língua, que é chamada de saburra ou biofilme lingual”, explica a vice-presidente da ABO-PR, Claudia C. Gobor.

 

De manhã, é normal ter alteração no hálito, devido à hipoglicemia ocasionada por horas sem comer e também a baixa produção de saliva. Estresse, ansiedade e tensão, medicamentos como fórmulas para emagrecer e antidepressivos, baixo consumo de água, uso da fala por longos períodos, respiração pela boca e radioterapia nas regiões da cabeça e pescoço, afetando as glândulas salivares, são alguns dos responsáveis pela boca seca.

 

O tratamento da halitose ou mau-hálito depende da origem. Há casos de tratamento multidisciplinar, em que o paciente precisar de acompanhamento médico, como o otorrinolaringologista por causa de desvio de septo nasal, ou o endocrinologista para os diabéticos. Além de limpezas dentais periódicas, pode ser necessário utilizar enxaguante bucal adequado, gel com ação microbiana e estimuladores salivares (gustatórios, mastigatórios, fármacos e sessões de tens, laser e acupuntura) para que o fluxo salivar se normalize. O tratamento dura, em média, três meses, mas em 30 dias já se consegue ver bons resultados.

 

“Durante o XIV CIOPAR, que será realizado em outubro, acontecerá a I Jornada Brasileira de Halitose no dia 18. Será uma grande oportunidade para estudar um pouco sobre as alterações de hálito e conhecer mais sobre este tema tão importante para a saúde bucal de nossos pacientes”, destaca Dra. Claudia.

Deixar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.