contato@institutokopp.com.br

Cuidados no Tratamento Cirúrgico Odontológico de Pacientes com Doenças Cardíacas

Complicações cardiovasculares são as causas mais comuns de eventos adversos em cirurgias. Pacientes portadores de doenças cardíacas, necessitam de atenção especial e planejamento adequado para realização de cirurgias odontológicas com segurança e eficácia.

As doenças cardíacas mais comuns são: hipertensão arterial, doenças cardíacas isquêmicas, insuficiência cardíaca, doenças nas válvulas cárdicas e disritmias cardíacas. Há, também, as comorbidades associadas como: obesidade, aumento dos níveis de colesterol no sangue, tabagismo e doenças pulmonares.

Por sua vez, a hipertensão é definida como duas ou mais aferições da pressão arterial acima de 140 x 90 mmHg. Afeta cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo e a incidência aumenta com a idade.

Nos Estados Unidos, estudos estimam incidência de pressão alta em cerca de 25% da população adulta e 70% em pessoas com mais de 70 anos. No entanto, apenas 30% dos pacientes fazem tratamento adequado e aproximadamente 30% permanecem sem diagnóstico, desconhecendo a existência dessa doença, na maioria das vezes “silenciosa”.

A realização de tratamento odontológico em caráter multidisciplinar, com a presença de um médico anestesiologista e a realização da cirurgia com sedação, apresenta inúmeros benefícios para o paciente e proporciona aumento da segurança e conforto.

Desta forma, durante o procedimento, o paciente é submetido à monitorização do ritmo e da frequência cardíaca, dos níveis da pressão arterial, da respiração e oxigenação do sangue. São realizadas medicações que controlam os batimentos do coração e os níveis da pressão arterial.

Assim, as alterações orgânicas decorrentes da cirurgia são atenuadas, diminuindo a incidência de complicações cardíacas, além de outros benefícios associados como: prevenção de náuseas e vômitos; prevenção da dor pós-operatória; diminuição de inchaço; realização de antibióticos que previnem a incidência de infecções e doenças nas válvulas cardíacas.

Neste caso, o paciente cardiopata deve ser avaliado primeiramente pelo cirurgião dentista que, após indicar o tratamento cirúrgico, o encaminhará para a avaliação pré-anestésica. Nesta consulta, o paciente deve trazer todos os exames que tiver e o nome e dosagem de todos os medicamentos em uso.

O anestesiologista avaliará a viabilidade da realização do procedimento e a necessidade de avaliações especializadas por parte do cardiologista do paciente, que vai ajudar na mensuração do risco cirúrgico e na orientação do uso das medicações, sobretudo nos casos de uso de remédios que alteram a coagulação do sangue, como no caso de pacientes submetidos a cirurgias de angioplastias (stent), cirurgias valvares e demais cirurgias cardíacas.

Portanto, portadores de doenças relacionadas ao coração podem realizar tratamento odontológico com conforto e segurança. Para isso, necessitam observar passos importantes, como a escolha de uma equipe competente, preferencialmente multidisciplinar.

A presença de suporte médico para a realização de avaliação, esclarecimentos, planejamento e preparo adequado, podem aumentar a segurança e contribuir para o sucesso do procedimento.

Dr. Angelo Carstens CRM 18312- PR

Médico Anestesiologista

Membro da Sociedade Brasileira de Anestesiologia

Compartilhar:

Deixar comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.